Sobre este espaço

Este é um espaço destinado à reflexões acerca da memória, do tempo e de histórias.. Histórias de vida, histórias inventadas, histórias... Um espaço onde a imaginação possa fluir, viajar. Um espaço também para escrever sobre minhas reflexões referentes aos meus estudos sobre arqueologia e antropologia... Antes de mais nada, uma espécie de Diário daquilo que me impulsiona, um lugar para organizar (ou tentar) meus pensamentos.. antes que eles voem por aí.

Boa exploração!

Roberta Cadaval

segunda-feira, 19 de março de 2012

Hoje a lua quis brincar de esconder.

Hoje a lua quis brincar de esconder. Saí para ver o mundo, mas a lua não estava lá. Valeu  a pena de qualquer jeito. Vi luzes de todas as cores, bolinhas amarelas que brilhavam, outras vermelhas que formavam curvas, linhas em movimento. Vi crianças correndo e, entre folhas e flores, pai e filho andando de bicicleta. Vi velhinhos caminhando e cães passeando com seus donos. Fluxos em múltiplos passos. Ouvi a alegria por entre as risadas, pessoas curtindo uma noite estrelada , mesmo sem que houvessem estrelas no céu.  Senti o outono chegando, mesmo com a temperatura elevada. Andei sorrindo e sentindo paz. Mesmo assim, insisti em procurar a lua... que não aparecia. Duas estrelinhas piscaram pra mim e uma delas me falou sobre uma nuvem passageira. Foi então que percebi a presença da lua. Ela brincava de esconde-esconde e me dizia que eu deveria sentir e não buscar enxergá-la apenas.  Ela estava lá, mirando-me, sem que eu pudesse avistá-la.  Ensinando-me que mesmo longe, mesmo que eu não pudesse vê-la, ela jamais deixaria de sorrir para mim.

1 comentários:

Sou assim... aqui JasMim! disse...

sou eu... lua da tua vida! posso não estar perto, mas sempre no coração! ;) amo-te minha mana.. e as palavras que brotam de ti são sempre as maiores do mundo, e me fazem querer te ler cada vez mais! amoamo!!!

Postar um comentário

O quê estes filmes têm em comum?

O quê estes filmes têm em comum?
"Le fabuleux destin d'Amélie Poulain", "Uma vida iluminada" e "Coisas insignificantes".